Connect with us

Politics

There is already “some political consensus” for regionalization, the parties admit

Published

on

There is already "some political consensus" for regionalization, the parties admit

At a conference organized by JN, DN and TSF, the main political parties spoke out in favor of promoting regionalization. The SDP believes that today there is “some political consensus” in this regard, although it rejects the model of increasing public spending. The PS recalled that they are defending the referendum for 2024, but the PCP has conditions to complete the process in 2023.

Jose Luis Carneiro, Deputy Secretary General PS, defended the need for regionalization as long as it persists. “Regionalization – yes, with the consideration and consolidation of options,” he said this Wednesday in Lisbon.

The socialist stressed that his party’s “obligation” in the legislative election program is to first complete the decentralization of power.

“It is planned that the services of Deconcentrated Public Administration can now be integrated into the CCDR, and as soon as this process is consolidated, we can consolidate this path and hold a referendum in 2024,” said Jose Luis. Carneiro.

Arlindo Cunha, Director of the National Strategic Council Psd, acknowledged that the party is ready to promote regionalization, albeit with some conditions. “We think that after so many disagreements, a certain political consensus can finally be reached,” he stressed.

However, the former government minister Kavaku Silva and Duran Barroso warned that in order to win the consent of the Social Democrats, this process cannot increase public spending. “Budgetary rigor is needed,” he said.

Before moving on to a referendum, the SDP proposes to act on three levels: completing decentralization, implementing “deconcentration” measures (such as relocating some government services or providing “reliable” tax incentives to companies within the country). and, finally, promoting “structured” discussion on the map of the regions.

See also  MPs: Furlough "needs to be extended" to avoid massive unemployment.

Regionalization “by itself” does not eliminate inequality, says BE

Katharina Martins, leader BE, said that he followed the regionalization “sufficiently”. However, he argued that one of the country’s main problems is the “economy of inequality” and that the creation of regions “in itself will not solve this issue.”

“It is impossible to fight inequality without public services,” the blockist said, recalling that from 2001 to 2014, about 6.5 thousand public services were closed in the country. He defended that regionalization should be discussed by launching a “inclusive, open and democratic” process and called for direct elections to the CCDR.

Joao Oliveira from PCP, announced the “commitment” of the communists: the party understands that it is possible to “complete the whole process at the end of 2023 with the election of the relevant bodies.”

According to the communists, the councils should be consulted on two possible map proposals: one approved in 1998 and one for the five CCDR-compliant regions. Only after that should a referendum be announced, – defended the parliamentary leader of the PKP.

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Politics

Se perder legislativas, Costa convocará eleições no PS mas não interferirá no processo, promete – Observador

Published

on

Se perder legislativas, Costa convocará eleições no PS mas não interferirá no processo, promete – Observador

Catarina garante que “OE e Governo terão de ser negociados” e acusa: “direita tem projeto de destruição do país, prefere falar de gatos”

Com o discurso da maioria absoluta arrumado na gaveta e um aparente sinal, mesmo que tímido, de que António Costa afinal vai querer negociar depois das eleições, Catarina Martins fala de uma espécie de nova etapa na campanha: “Já se percebeu que a ideia de maioria absoluta está abandonada, que o Orçamento terá de ser negociado, que vai ser preciso conversar a 31 de janeiro, que vai ser preciso negociar qual será o Governo da próxima legislatura”, disse esta manhã na feira de Vila do Prado, em Braga, embora recusando comentar mais em pormenor as declarações de Costa — “Não vou fazer a campanha sempre a comentar cada uma das declarações, porque se não passamos estes dias e nunca falamos de nada do que é fundamental.”

E o que é importante, na visão do Bloco, é discutir temas como os baixos salários em Portugal: Catarina Martins leu a notícia do Jornal de Notícias que hoje indicava que há cada vez mais pessoas a viver em caravanas, em parques de campismo, e referiu-a como um dos sinais de alerta. “Temos um país em que os salários são tão baixos que as pessoas não podem pagar uma renda de casa. Se alguém acha que o problema da Habitação é só do centro de Lisboa, desengane-se.” Para o Bloco, a solução será ter “a responsabilidade de ter uma política pública para a Habitação”, incluindo alterar a Lei das rendas e reforçar o parque público de habitação.

Catarina foi também questionada sobre o rumo da campanha, incluindo a predileção pelo gato de Rui Rio, Zé Albino, que tem sido referido praticamente todos os dias (e não só pelo PSD). “Há partidos que têm um problema: não podem dizer qual é o seu programa eleitoral Como é que a direita pode vir a umas eleições em que os salários e as pensões são baixos e vem dizer: o que nós queremos é congelarnio mírio salário, acabar com as poucas regras do trabalho que existem e é a lei da selva? A direita tem um projeto de destruição do país. Portanto preferem falar de gatos. É gato escondido com o rabo de fora”, atirou a líder bloquista.

Os ataques são nesta fase sobretudo dirigidos à direita, embora também tenha deixado uma farpa ao Sabemos que há tanta gente que não pode continuar assim, mas não é a direita que vai resolver. A resposta estará na força à esquerda e na força do BE para condicionar um contrato de Governo.”

See also  Thwaites: 'Doomsday Glacier' vulnerability seen on new maps
Continue Reading

Politics

Moreau says MBL members are “good people” and admits approach

Published

on

Moreau says MBL members are "good people" and admits approach

Pre-candidate for President of the Republic Sergio Moro (Podemos) praised the members of the MBL (Movimento Brasil Livre) during an interview with the Flow podcast today. He confirmed a rapprochement with the group for this year’s election race.

“People are good. They are good people,” he said and added: “They were in the Movimento Brasil Livre, a movement of political activism, but did not get involved in politics, and they gradually came to understand that things don’t just change. There must be good people in politics.”

“There has to be pressure from society to change, but you also have to have people with that spirit of change. It may be an illusion, it may be a mistaken idealism.”
Sergio Moro (We can)

MBL is approaching Moro and Podemos

Last week, the MBL leaders confirmed they would be joining Podemos on January 26th. But going out to the party will have a “letter of independence” between the party and the group.

In addition to the Patriots, which includes most of the MBL members, there are members in other parties such as PSL, Democratas and Novo, and they are also expected to move to the Moro party.

Through Podemos, MBL will run for the government of Sao Paulo, led by State MP Artur do Val (Patriota-SP). In a dispute for a seat in the Senate, the group must have state deputy Heni Ozi Tsukye (Novo). Together with them, the group will form a platform in the state of São Paulo for the Moros in the dispute over the Plateau.

See also  In Brasilia, Luciana Santos goes to table with Lira on political reform - Folha Politics

The approximation, however, comes from last year. In November 2021, Moro was at the 6th National Congress of the Movement for a Free Brazil. At the end of the event, the former judge was introduced at the event by MBL leader Adelaide Oliveira as “Brazil’s next president”.

Continue Reading

Politics

Portugal sem representação política nos Jogos de Inverno de Pequim

Published

on

An expired Citizen Card is used to travel and apply to reside in the United Kingdom.

“Portugal não terá representação política na cerimónia de abertura ou na cerimónia de encerramento dos Jogos Olímpicos de Inverno, e estamos também a coordenar-nos com os demais Estados europeus nessa matéria, mas não teremos representação política na cerimónia de abertura ou na cerimónia de encerramento “, declarou o chefe da diplomacia portuguesa.

Santos Silva, que falava aos jornalistas após participar numa reunião dos ministros dos Negócios Estrangeiros da UE, justificou a ausência com “várias razões”, desde “o momento político que se vive em Portugal” ao “sentido de unidade próprio da União Europeia” nas atuais “circunstâncias”, admitindo também o peso que tem o facto de os Jogos Olímpicos de Inverno não serem, “do ponto de vista, desportivo “o alfa eo omega” do desporto nacional”.

Depois de, na semana passada, o Parlamento Europeu ter apelado a um boicote diplomático e político dos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, face às tentativas da China de “legitimar o seu sistema autoritário”, Santos Silva confirmou que “há uma coordenação que se esta a fazer [entre os 27], respeitando evidentemente todos os interesses de cada Estado-membro”.

“Por exemplo, sei que alguns Estados europeus se farão representar ao nível de ministro do Desporto dada a dimensão da sua representação desportiva. Outros far-se-ão representar apenas ao nível de embaixador, e, como é habitual nestas coisas, mesmo quando a decisão é nacional, nós concertamos sempre posições e é isso que estamos a fazer”, disse.

Quanto à posição portuguesa, atribuiu-a então ao “sentido de unidade próprio da UE e também o que é típico da diplomacia não-confrontacional que Portugal pratica”, voltando a recordar o “momento político que se vive em Portugal, e que se viverá nas próximas semanas”, com a realização de eleições legislativas no próximo domingo, 30 de janeiro.

See also  Italy closes nightclubs for three months and orders masks to be worn in community at night

“Entendemos que uma representação ao nível ministerial ou de membro do Governo não seria a solução apropriada”, concluiu.

Vários países, como o Reino Unido, Estados Unidos, Canadá e Austrália, entre outros, anunciaram um boicote diplomático aos Jogos de Pequim, sem prejudicar a participação dos atletas desses países, para denunciar alegadas violaçõesima dos direitos humanos na China, e na quinta últ -feira o Parlamento Europeu também recomendou aos Estados-membros um “boicote diplomático e político aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim 2022”, que decorrem entre 04 e 20 de fevereiro.

Continue Reading

Trending