Connect with us

Politics

bells: collective, political love | podcast

Published

on

bells: collective, political love |  podcast

Love is an everyday construction, and only in action does it acquire a feeling.

Writer, teacher, and activist Bell Hooks brings subjective dimensions to her work, dealing with social issues such as racism, feminism, politics, pedagogy, domination, and resistance.

The author died last December and left an immeasurable legacy of black literature, according to historians who spoke to reporters. Brazil de facto.

The American black feminist has written over 40 books published in 15 different languages, some of which have been translated in Brazil. The daughter of a janitor and a maid, Bell was educated in segregated schools in the United States and published her first collection of poetry. And there we cried in 1978.

:: Talking drums: anti-racism and feminism in Afro-Uruguayan candomba ::

In 2020, educator and historian Silvane Silva was invited by Elefante Publishing to write the preface to the Brazilian edition of the Hooks’ book Tudo sobre o amor: novaes perspectiva.

She explains that the author believes that love goes far beyond romantic love, attachment to someone. For her, love is an action associated with ethics and the collective.


“Bell Hooks was keen to practice what she wrote herself,” says Sylvan Silva/Personal Archive.

“It shows how important it is for society that we have love as an ethic and that we can build a concept of love that values ​​not the individualism that capitalist society is used to, but a concept of love that is constructed and valued. through life in the community.

:: Bell Hooks, writer and one of the biggest names in black feminism, dies ::

How to identify revolutionary wind chimes ideas? Unlike great academic theorists, Hooks insisted on writing instructive and accessible, so that all people interested in his literature could read his writings, and were criticized throughout his career for being “not academic enough”.

“This is something of great importance, because few scientists manage to achieve what it gives, namely the depth of conceptualization, aligned with a simple language that is accessible to everyone and which basically reduces all the practical relations of everyday life to concepts and reflections. She was worried that the theory could heal us, help us live, and could help in our daily lives,” Silva says.

See also  "He never formed inside the left"


Reading the works helped the historian Marilea de Almeida to declare herself as a black woman, intellectual, teacher, researcher and writer / Photo: Fernanda Almeida Abraao (Marilea’s niece, 11 years old)

Throughout her career, the author has covered topics ranging from critical theory to pedagogical and cultural practice, feminism, love, spirituality, self-esteem, and several books aimed at children. So how do you get started with bell hooks? Sylvan points to “Teaching Crime: Education as the Practice of Freedom” and books on the subject.

:: Sirma Bilge and the challenge to find oneself among the oppressions that divide us ::

“Facing the fear of speaking out and courageously standing up to authority remains a vital challenge for all women,” writes Bell Hooks in the introduction to the new issue of Raising Your Voice: Think Feminist, Think Black. And it is this book that historian and psychoanalyst Marilea de Almeida, author of Devir quilomba: anti-racism, attachment and politics in the practice of quilombol women, recommends to those who have never read bell hooks and want to understand the author’s ideas.

“I think a fundamental aspect of Bell Hooks’ work is her relationship with the word. She believes that the transformation of the world occurs not only through her, but also through the gestures of using voice and words. So I would recommend Raise Your Voice, a book that brings to the fore this process of silencing that takes place, especially with black women, and that, in a way, leads to speech and language similar to the voice of black women. , which occupies a unique place,” explains Almeida.

During the interview, she read an excerpt from the book Erguer a voz, which features personal and theoretical essays in which she critically radicalizes the maxim that “the personal is political”.

When we challenge ourselves to speak in a liberating voice, we threaten even those who may at first claim that they want to hear our words, in the act of overcoming our fear of speech being perceived as a threat to the process of learning to speak as subjects in which we participate. global struggle to end dominance. When we end our silence, when we speak with a liberating voice, our words connect us to anyone who lives in silence somewhere. Excerpt from Raise Your Voice: Think Like a Feminist, Think Like a Black Woman

Marilea says that meeting Bell Hooks was a game changer in her career, she saw herself and thought about herself. Reading the works helped the historian to declare himself as a black woman, intellectual, teacher, researcher and writer.

See also  Trump rejects science again during a briefing on bushfires in California

“It works like a call for me, you know? As if I am being called to learn how to use my voice, my intellect, my intellectual abilities and my energy serve human dignity.”

Bahian singer Lueji Luna released an album called “It’s good to be underwater” that mentions black songwriters. In this track, she refers to a book published by the Hooks in 1981 called E eu sou não uma mulher? Black women and feminism.

As the author turns 70 this year, Editora Elefante announced posthumously that she will be publishing at least six more Bell Hooks books.

Some books mentioned in the report:

– All About Love: New Perspectives (2021)

Summary: What is love? Is this question so subjective, so opaque? As for bell hooks, when we refine their meaning, we get further and further away from understanding it. In this book, the first volume of his Love Trilogy, the author tries to explain what love really is, whether it be in family, romantic and friendship relationships, or religious experience. Contrary to popular belief, which so often understands love as a sign of weakness and irrationality, Bell Hooks argues that love is more than a feeling, it is an action that can transform the nihilism, greed and obsession with power that dominate our lives. . It is through building a loving ethic that we can build a truly egalitarian society based on justice and the pursuit of collective well-being.

– Teaching Crime: Education as the Practice of Freedom (1994)

Synopsis: In Learning to Crime, Bell Hooks and the Rebellious Black Intellectual write about a new type of education, education as the practice of freedom. For Hooks, teaching students to “transgress” racial, gender, and class lines in order to receive the gift of freedom is the teacher’s most important goal. Filled with passion and politics, Teaching Crime combines practical knowledge in the classroom with a deep connection to the world of emotions and feelings. This is one of the rare books about teachers and students that dares to raise critical questions about Eros and anger, suffering and reconciliation, and the future of teaching itself. She says that “education as the practice of freedom is a way of learning that anyone can learn.” “Teaching Transgression” tells the story of a talented teacher’s struggle to make the class work.

See also  NBA gamers 'agree to resume postseason' | NBA News

– Raise Your Voice: Think Like a Feminist, Think Like a Black Woman (2019)

Synopsis: As a child, the author was taught that to “answer”, “to object” means to dare to disagree, to have one’s own opinion, to speak on an equal footing with an authority figure. In this collection of personal and theoretical essays, in which he critically radicalizes the maxim that “the personal is political,” Bell Hooks reflects on the issues that characterize his intellectual work: racism and feminism, politics and pedagogy, domination and resistance. In more than twenty essays and one interview, the author shows that the transition between silence and speech is a complex gesture that heals, gives new life and new growth to the oppressed, colonized, exploited and all those who are left behind. fight shoulder to shoulder for liberation.

Editing: Douglas Matos

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Politics

″Rio passou de contabilista a humorista eo gato transformou-o em político″

Published

on

″Rio passou de contabilista a humorista eo gato transformou-o em político″

​​​​​​Neste momento específico de restrições, de cansaço da pandemia, que líder tem sido mais eficaz na ligação com a população em campanha? Antonio Costa ou Rui Rio?
Tenho analisado quem tem feito um trabalho para que votem nele. E o que tenho visto é que, em muito pouco tempo, os dois líderes alteraram os seus comportamentos. António Costa começou uma campanha Calimero, com vitimização, dizendo que não devíamos estar nesta situação, que é injusto, um discurso que o colocava numa situação de pedir a atenção dos portugueses. Muito diferente daquele António Costa seguro, hábil e aberto. E em 15 dias foi forçado a mudar o discurso ou entrou num caminho que lhe é mais natural de quem efetivamente não tem nada a perder, por mais estranho que isso possa parecer. Ele é primeiro-ministro há seis anos e nesta altura parece mais descontraído e na campanha, sendo mais popular e naturalmente mais descontraída, começou a contradizer-se. Voltou a ser um homem do diálogo, a falar com todos. Em comparação Rui Rio, o líder do PSD, fez o maior dos trajetos. Passou de um contabilista para um humorista, o que é completamente notável. Até aqui Rui Rio apresentava-se como um homem sério e sem papas na língua, como se isso também fosse uma qualidade extraordinária para um politico, para agora também assumir o papel de alguém que também não tem nada a perder. Porque e a sua última hipótese de ser primeiro-ministro ou vice-primeiro-ministro e de continuar como líder, porque se tiver um mau resultado acabará por sair. E, portanto, libertou uma parte da campanha e obrigou a que todos os políticos, inclusivamente a si próprio, a mostrarem o que são e não apenas o que defendem.

See also  Trump rejects science again during a briefing on bushfires in California

Nessa perspetiva, o confronto de animais de estimação é eficaz em campanha?
As campanhas eleitorais têm sempre de servir para mostrar as pessoas e não apenas para debater as ideias. Até porque algumas dessas ideias são muito técnicas e devem ser debatidas em espaços concretos, o falar de PIB, de revisão constitucional, de orçamento geral do Estado para a maioria dos portugueses isso não quer dizer rigorosamente nada. Esses assuntos muitíssimo importantes para o país, numa perspetiva publica, não levam as pessoas a votar. Aquilo que está em causa nos votos é ideologias mais de direita ou de esquerda, que se fizéssemos um inquérito as pessoa s teriam dificuldade de dizer o que é mais de um lado ou de outro, sobretudo quem são os líderes nacionais quer os dis as pessoas acreditam que podem levar o país por diante, seja os que querem continuar as políticas que existem seja os que querem fazer alterações. O gato do Rui Rio transformou-o num politico. Retira-lhe aquele imagem de contabilista, do homem ponderado a quem podemos entregar o nosso dinheiro mas em que dificilmente estaríamos interessados ​​em entregar o nosso país. Ate o António Costa lançou o nome dos seus cães.

Esta exposição dos animais, em substituição das famílias, terá a ver também com o momento de maior peso dos partidos ecologistas?
A atualidade pesa nessa escolha. Lembro que o André Ventura foi o primeiro a mostrar o seu coelhinho. O que me importa é que de facto isto aproxima as pessoas e podem vir os intelectuais dizer que a campanha baixou de nível porque baixou para os gatinhos mas o que é certo é que é este tipo de coisas que levam as pessoas a importarem-se com o que se está a passar. E quando se importam precisam de refletir mais. Gosto de fazer perguntas na rua às pessoas “Então como vai a política? Vai votar em quem?” e têm-me dito que precisam de fazer uma reflexão, gostavam de mudar mas não sabem para quem. E vão pensar em quê? Não vão ler os programas dos partidos. É preciso entender que há a política da escola, a alta política, as pessoas que se interessam e estudam ea elite que pode governar o país e que deve discutir as medidas que podem aplicar ea melhor forma de o fazer; temos uma classe média mais informada que gosta de ouvir as ideias, embora não as goste de discutir muito, e aí importam alguns aspetos – e basta ver que ninguém trouxe para cima da mesa ideias muito extraordinárias -; e quem decide efetivamente, que são todos os outros. Que é uma massa de pessoas que vota por fé ou por desilusão. Ou seja, ou por acreditar em alguém ou porque não acredita naquilo que está. O António Costa eo Rui Rio entenderam isso nesta altura e, por essa razão, as sondagens dão aproximações. Campanha é relação com as pessoas, é a capacidade de comunicar e de trazer as pessoas para a política e desintelectualizar a política sempre que for preciso. Quando vemos os grandes politicos portugueses, não foi a capacidade intelectual extrema que fez do dr. Mario Soares um icone. Passava pela sua capacidade precisamente de saber falar para a elite, para a burguesia e para o povo.

See also  “We Lost Everything That Day”: Lebanon Still Struggling to Rebuild One Year After the Beirut Port Explosion | Peace

Há, no entanto, outro género de políticos, como o Rui Tavares do Livre, que apresenta um discurso assertivo, mas muito sério, que resulta para um determinado tipo de eleitorado?
Sim, pod resultar. Mas não deixou de trazer o seu gato no Twitter. O professor Rui Tavares, como todos tendem a tratá-lo pela academia e pela seriedade, também percebe que não basta ser é preciso parecer. Que a qualidade intrínseca das coisas não é suficiente. Há a qualidade percebida, que é o que somos aos olhos dos outros e passa por trabalharmos essas pontes. E os políticos têm de ter essa capacidade de fazer a ponte entre aquilo que os cidadãos entendem de política eo contexto político de grande descapitalização e de as trazer para a política. Fizeram-no com gatinhos e talvez importasse lembrar que os gatinhos na Internet são uma das principais fontes de adesão. Não é querer brincar com o futuro país, porque a política é uma coisa séria, mas termos um país com mais participação política temos de encontrar assuntos que não são tão sérios para depois falar dos sérios. Tenho gostado de ver Rui Rio nesse papel, é pena que ele não o tenha começado há bastante mais tempo porque agora parece um choque, parece que lhe saltou de dentro um Gato Fedorento. Ele diz que um Raul Solnado adormecido dentro que saiu para a rua e qualquer dia aparece no último dia de campanha com um ventrículo Zé Albino a falar para o povo. O que o tem colocado em muito melhor posição. E o normal nesta eleição é que António Costa perca, porque é normal que quem governa e não tenha resultados extraordinários, perca. Porque há sentimento de fundo de alteração, dá-se o beneficio a quem vem. Se Antonio Costa nestas circunstâncias ganhar e notável.

See also  Sept. 7 agenda is dominated by political action

Continue Reading

Politics

Jogo Politico entrevista o deputado federal Denis Bezerra; assista ao vivo

Published

on

Denis Bezerra preside o PSB do Ceará(foto: Agência Câmara)

O programa Jogo Politico, desta terça-feira, 25, entrevista o deputado federal Denis Bezerra (PSB-CE). A edição discutirá as negociações entre o ex-presidente Lula e socialistas na formação de uma chapa para as eleições de outubro, tendo ex-governador Geraldo Alckmin com vice do petista. Outra tema que será abordado é a morte do escritor Olavo de Carvalho. Qual deverá ser o impacto desse fato para o futuro do bolsonarismo?

Companhe ao vivo:

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

Com o jornalista Érico Firmo, o quadro “Histórias do Poder” desta semana fala sobre a trajetória de Leonel Brizola, uma das grandes lideranças da esquerda brasileira. No dia dia 22 de janeiro, o politico completaria 100 anos de idade. Seu nome é marca permanente na história do Partido Democrático Trabalhista (PDT).

No “Alguém me Disse”, comandado por Guálter George, serão abordadas as negociações entre PT e PDT para manter palanque conjunto no Ceará em 2022 ea sucessão de Camilo Santana (PT) para o Palácio da Abolição. No sexta, 21, a aliança entre os partidos no estado foi estremecida após novas críticas de Ciro Gomes ao ex-presidente Lula, durante ato de pré-campanha do pedetista.

Dúvidas, Criticas e Sugestões? Fale com a gente

See also  Patriot tries to contain Bolsonaro split with new convention
Continue Reading

Politics

Se perder legislativas, Costa convocará eleições no PS mas não interferirá no processo, promete – Observador

Published

on

Se perder legislativas, Costa convocará eleições no PS mas não interferirá no processo, promete – Observador

Catarina garante que “OE e Governo terão de ser negociados” e acusa: “direita tem projeto de destruição do país, prefere falar de gatos”

Com o discurso da maioria absoluta arrumado na gaveta e um aparente sinal, mesmo que tímido, de que António Costa afinal vai querer negociar depois das eleições, Catarina Martins fala de uma espécie de nova etapa na campanha: “Já se percebeu que a ideia de maioria absoluta está abandonada, que o Orçamento terá de ser negociado, que vai ser preciso conversar a 31 de janeiro, que vai ser preciso negociar qual será o Governo da próxima legislatura”, disse esta manhã na feira de Vila do Prado, em Braga, embora recusando comentar mais em pormenor as declarações de Costa — “Não vou fazer a campanha sempre a comentar cada uma das declarações, porque se não passamos estes dias e nunca falamos de nada do que é fundamental.”

E o que é importante, na visão do Bloco, é discutir temas como os baixos salários em Portugal: Catarina Martins leu a notícia do Jornal de Notícias que hoje indicava que há cada vez mais pessoas a viver em caravanas, em parques de campismo, e referiu-a como um dos sinais de alerta. “Temos um país em que os salários são tão baixos que as pessoas não podem pagar uma renda de casa. Se alguém acha que o problema da Habitação é só do centro de Lisboa, desengane-se.” Para o Bloco, a solução será ter “a responsabilidade de ter uma política pública para a Habitação”, incluindo alterar a Lei das rendas e reforçar o parque público de habitação.

Catarina foi também questionada sobre o rumo da campanha, incluindo a predileção pelo gato de Rui Rio, Zé Albino, que tem sido referido praticamente todos os dias (e não só pelo PSD). “Há partidos que têm um problema: não podem dizer qual é o seu programa eleitoral Como é que a direita pode vir a umas eleições em que os salários e as pensões são baixos e vem dizer: o que nós queremos é congelarnio mírio salário, acabar com as poucas regras do trabalho que existem e é a lei da selva? A direita tem um projeto de destruição do país. Portanto preferem falar de gatos. É gato escondido com o rabo de fora”, atirou a líder bloquista.

Os ataques são nesta fase sobretudo dirigidos à direita, embora também tenha deixado uma farpa ao Sabemos que há tanta gente que não pode continuar assim, mas não é a direita que vai resolver. A resposta estará na força à esquerda e na força do BE para condicionar um contrato de Governo.”

See also  'It's a frightening time for stand-up comedians'
Continue Reading

Trending