Connect with us

Tech

A new 5G BlackBerry phone with Android and a physical keyboard will get there in 2021

Published

on

A new 5G BlackBerry phone with Android and a physical keyboard will arrive in 2021

The as soon as-highly regarded BlackBerry brand has been licensed nevertheless once more by a business hoping to use a acquainted identify to make a dent in the aggressive Android telephone market place. This time, it is a new Texas startup named OnwardMobility that is getting the reins, promising to release a 5G BlackBerry unit with Android and a actual physical QWERTY keyboard in 2021.

Little else is acknowledged about the product, which include screen dimension or internal specs, but OnwardMobility told The Register it would arrive with a entirely new keyboard layout that will “reflect the brand values from a keyboard typing expertise and enter knowledge.” Which, yeah, positive! I love to replicate model values. Do it all the time.

It would seem OnwardMobility will be angling the unit to company shoppers, emphasizing the phone’s ability to get function performed on the go (absolutely a lot less of a attract in a pandemic?) and its stability characteristics. This all makes perception, taking into consideration these had been the characteristics that captivated so a lot of prospects to BlackBerry units in the past.

It also appears to be the device will not be flagship standard, but possibly a wholesome midrange. As OnwardMobility CEO Peter Franklin explained to The Register: “Top of mind for us is not just producing the most safe and effective gadget, but also currently being an every day unit. That suggests factors like a best-notch camera, and the other specs you’d assume from your working day-to-working day cellular phone. At the same time, we know that we will have to be competitive, and so is our pricing.”

See also  Far Cry 6: PETA Asks To Remove Cockfight Minigame From Game

In fairness, “be invincible” is a fantastic strapline for an evidently unkillable model like BlackBerry.
Image: OnwardMobility

It is truly worth remembering just how odd BlackBerry’s journey has been as a brand. BlackBerry devices had been monarchs of the cell earth in the late aughts, but then Android and iOS took off and sales took a nosedive.

There was a reboot of types from 2013 onward, when a number of devices operating BlackBerry 10 were being launched (like the fantastically square-shaped BlackBerry Passport). Then, in 2015, the firm ultimately switched to Android with the BlackBerry Priv and its slide-out keyboard. In 2016, it stopped generating its very own phones entirely and accredited the brand name to Chinese producer TCL. TCL will get rid of legal rights to that brand as of August 31st this calendar year, which seemingly cleared the way for OnwardMobility to transfer in. (A aspect take note: Indian telecoms business Optiemus Infracom has also built its have BlackBerry-branded Android equipment, but they are only obtainable in the Indian sector.)

That would make this possibly the fourth or fifth iteration of BlackBerry gadgets, dependent on how you like to count them. And connect with us silly, stupid, or just simple morbid, but we’re nonetheless really curious to see particularly what OnwardMobility will come up with.

The new cellular phone will be produced by FIH Mobile, a subsidiary of manufacturing giant Foxconn. It’ll be out there in North America and Europe “in the first half of 2021.”

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Tech

Galaxy S22 unboxed in February to be announced

Published

on

Samsung Unpacked fevereiro 2022

Samsung says that the Unpacked presentation will take place in February, all indications are that the Galaxy S22 should be announced at this event.

The company announces that we are in for big surprises, that the event will showcase a wonderful new device from the Galaxy S line.

We hope that the S22 range will indeed be introduced and that it will stand out from previous models in many sectors, especially in the ultra version.

The Galaxy S22 line will be unveiled in February

Samsung announces that it will host an Unpacked event in February 2022 that will showcase the most outstanding S-series device ever created, bringing together the manufacturer’s greatest expertise in a unique device.

With wonderful, we can easily determine that we will indeed have a device that will use the Galaxy Note linear pen, already with part of the experience, this indicates that the software will be fully optimized for the S Pen.

Dr. T. M. Ro, president and head of Samsung MX Business, notes that the manufacturer’s new phone will have improved cameras that will perform better at night, providing brighter photos and videos.

The manufacturer’s intention is really to innovate, listen to their consumers and take note of what they need.

The president also says that many were surprised that the Galaxy Note line won’t get a new version in 2021, but the experience won’t be missed, and that we’ll be bringing back the S Pen.

In the video itself, you can see how the two devices come together and become one, indicating that the Galaxy S and Galaxy Note line are becoming one.

See also  I learned today that Google Sheets now allows you to link multiple words in a single cell.

At the end, he even tells us what we need to prepare for the ultra experience, pointing out that Galaxy S22 Ultra will bring everything Samsung has in software, hardware and of course user experience.

Rumors indicate that the Galaxy S22 will be unveiled on February 8th.

Images of Galaxy S22 rear panel in black color leaked online

a lot of rumors about Samsung Galaxy S22 appear non-stop, one of them indicates that the device will be presented on February 8th.

The latter indicates that the version with The Exynos 2200 will arrive in fewer regions in 2022., this is compared to the previous year.

OUR Galaxy S22 Ultra must have S Pen, including storage space for the pen when not in use.

Now we just have to wait for another announcement from Samsung, which will confirm the date of the expected event, to present its next tops of the line.

Via: Samsung

Continue Reading

Tech

Tokyo on March 24th.

Published

on

Tokyo on March 24th.

Ghostwire: Tokyo page on the PlayStation Store (via MP1st) reports that the game will be released on March 24th. So far, the official launch is scheduled for the period from March 20 to June 21. The game will be available for PS5 and PC when it launches.

The game developed by Tango Gameworks will take you to a supernatural version of Tokyo.

More details below, via Bethesda:

Hannya sent a catastrophic fog over Tokyo, which destroyed most of its population. Consequently, he leads the Faceless, a dangerous group of devoted fanatics who bend to his will. Where smiling citizens once walked, there is now an army of unique creatures that only Tango Gameworks can create: Guests.

Inspired by Japanese legends, folklore and fairy tales, the Visitors are amazing and resourceful enemies lurking in Tokyo. Many characters are drawn from well-known dark stories such as “Kuchisake-onna”, characters who remain true to Tango’s desire to pay homage to Tokyo through an authentic and never-before-seen world.

Waking up at the famous Shibuya Crossing, Akito finds himself partially possessed by a strange spirit and surrounded by dangerous creatures that have invaded Tokyo. Desperate to ensure his sister’s safety, Akito must unite with his spirit and master powerful skills to fight his way through the city’s dangerous streets.

With the power and speed of the PlayStation 5, Tokyo comes to life with the console’s incredible ray tracing technology. As players walk the streets, beautiful neon lights gleam into puddles that become glassy mirrors of the brightness and beauty of the world. Ghostwire: Tokyo also features faster loading times to keep players immersed in the game, and tactile controls that allow players to feel their actions as they travel through the streets and rooftops of Tokyo.

Continue Reading

Tech

Maior negocio de sempre nos videojogos. Microsoft compra a Blizzard e aposta no metaverso

Published

on

Maior negocio de sempre nos videojogos.  Microsoft compra a Blizzard e aposta no metaverso

ZAP // Activision / Blizzard / Microsoft

A Microsoft planeia comprar a Activision Blizzard por quase 70 mil milhões de dólares, o maior negócio de sempre na área dos videojogos.

De acordo com a New York Times, a Microsoft está a postar numa população que vai passar cada vez mais tempo no mundo digital.

A aquisição da blockbuster, anunciada na terça-feira, catapultaria a empresa para um lugar de liderança na indústria de jogos de 175 mil milhões de dolares.

Os jogos, em praticamente todos os tipos de aparelhos, desde consolas a smartphones, ganharam ainda mais popularidade durante a pandemia -e as empresas tecnológicas estão de volta à indústria, a tentar cativar cada vez mais os três mil milhões de jogadores em todo o mundo.

A Activision criou alguns dos jogos mais populares de sempre, incluindo call of duty eo famoso candy crush, ominopresente nos últimos anos nos smartphones de jogadores de todos os géneros e idades.

A Blizzard Entertainment, com quem a Activision de fundiu em 2008, lançou alguns dos títulos mais icónicos de sempre no universo dos jogos MMO-RPG, como Warcraft, Starcraft, World of Warcraft, a saga Diablo e Overwatch.

Com o mega-negócio, a Microsoft parece querer reforçar a aposta no metaverso, o mundo de realidade virtual e aumentada – e juntar-lhe a carteira de massive multiplayer online games da Activision Blizzard, com destaque para WoW, parece ser um casamento perfeito.

O metaverso tem atraido enorme quantidade de atenção, investimento e talento. No final do ano passado, o Facebook mudou o nome da sua empresa para Meta, para salientar o seu compromisso. Mas o foco no metaverso desmente o significado do acordo no presente.

Aquisição ajuda a Microsoft a ganhar à sua rival rival Sony na longa batalha pelas atenções e carteiras dos jogadores, oferecendo jogos de topo.

Ajuda também a gigante de tecnologia a manter-se à frente dos poderosos concorrentes no mais recente mundo virtual, como a Amazon eo Google.

Phil Spencer, director executivo do negócio de jogos da Microsoft, realçou que independentemente do metaverso, “os jogos estarão na linha da frente”.

Por agora, acrescentou o dirigente, aquisição tem como objetivo ganhar terreno nos videojogos, área na qual a Microsoft mal compete apesar do numeroso portfolio de jogos, e de ter lançado títulos míticos como Age of Empires e Halo. Atualmente, a empresa detém o popular Minegraft, adquirido à Majong em 2014.

Spencer considera o jogo Call of Duty “um dos jogos de entretenimento mais espetaculares do planeta”.

Os reguladores federais podem levantar preocupações sobre aquisiçãouma vez que tanto os democratas como os republicanos têm pressionado a limitação do poder das gigantes da tecnologia.

Na terça-feira, o Departamento de Justiça ea Comissão Federal de Comércio americanos anunciaram um novo esforço para alargar a forma como devem determinar se os acordos são anti-concorrence.

A Microsoft está avaliada em mais de 2.3 biliões de dolares, ficando apenas atrás da Apple. A aquisição da Activision faria da Microsoft a terceira maior empresa de jogos do mundo, atrás da Tencent e da Sony — líder no mercado de consolas, onde a Microsoft está presente com a Xbox.

Nos ultimos anos, a industria de videojogos tem vindo a consolidar-se rapidamente. A força motriz por traás destas fusões, que podem vir a captar a atenção dos reguladores, é a corrida aos conteúdos exclusivos.

A Microsoft, por vezes, torna os jogos disponíveis apenas para os seus próprios dispositivos, tais como a sua consola Xbox, e indisponíveis nos aparelhos fabricados pelos concorrentes, como a PlayStation da Sony.

Quando questionado sobre se os jogos da Activision, como Call of Duty, se tornariam exclusivos da Xbox, Phil Spencer apenas respondeu que o objetivo da empresa “é permitir que o conteúdo chegue ao maior número de jogadores possível“.

A Microsoft tem procurado formas de investir o seu capital que expandam o negocio. Já tentou, inclusive, adquirir a rede social em expansão TikTok ea popular aplicação de chat Discord.

Assédio sexual e discriminação

Mas nem tudo são rosas no mundo dos jogos—e recentemente a Activision foi alvo de atenção por motivos controversos.

A empresa enfrenta acusações de assédio sexual ea discriminação, que pesaram sobre a empresa, com as suas ações a cair 27%, desde que a Califórnia a processou em julho, por causa.

Entretanto, as ações do fabricante de jogos subiram mais de 25 por cento no comércio na terça-feira, enquanto as ações da Microsoft caíram 2 por cento.

A compra pode ser vista como uma vitória para Bobby Kitty, chefe executivo de longa data da Activision, que alguns críticos consideram uma figura controversa.

Kotick negociou um grande premio para os investidores, com a Microsoft a pagar 95 dólares por ação, aproximadamente 45 por cento acima do preço das ações da sua empresa antes do anúncio, embora apenas ligeiramente mais do que o preço de negociação, antes de o escândalo rebentar.

O dirigente permanecerá no seu papel até que o negócio esteja concluído. Depois, a expectativa e que se demita do cargo de chefe executivo, embora possa ainda desempenhar um papel consultivo, de acordo com duas fontes, que pediram anonimato, por serem próximas a Kotick.

A controvérsia na Activision começou no verão passado, quando uma agência de emprego da Califórnia processou a empresa por promover uma cultura toxica no local de trabalho, na qual as mulheres eram assediadas sexualmente e discriminadas.

Nos meses seguintes, os empregados realizaram protestos, lançaram campanhas nos meios de comunicação social e apelaram à demissão de executivos.

Alguns dos principais líderes da Activision demitiram-se, incluindo J. Allen Brack, chefe da filial da Blizzard Entertainment. A empresa prometeu 250 milhões de dolares para aumentar a diversidade de empregados e affirmou que iria reforçar as políticas anti-assédio.

Mas quando o The Wall Street Journal noticiou em novembro que Kotick tinha conhecimento há anos das acusações contra as funcionárias e, em alguns casos, não tinha tomado medidas, os apelos a sua demissão apenas aumentaram.

Fazer um acordo com a Activision é algo de muito importante para a Microsoft, que ainda em novembro estava a questionar a culture da empresa.

Num e-mail enviado aos funcionários da Xbox, anteriormente relatado pela Bloomberg e confirmado pela empresa, Spencer escreveu que estava “profundamente perturbado com os horriveis acontecimentos e queda das ações” da Activision.

Na terça-feira, o dirigente apareceu ao lado Kotick para elogiar o acordo, sublinhando que sentia que as duas empresas tinham “valores semelhantes e ideologias sobre a cultura de trabalho também semelhantes”.

Spencer disse que a Microsoft se “sentou com Bobby ea equipa e olhou para o plano no qual têm trabalhado”, acrescentando que a cultura da empresa era sempre um trabalho em progresso. “Apoiamos muito o progresso que ele ea equipa estão a fazer”, notou o responsável.

Os atuais e antigos funcionários da Activision, que têm liderado as tentativas de reforma da cultura de trabalho da empresa não pensaram que a compra fosse provocar mudanças a curto prazo, especialmente porque a venda podia enfrentar uma longa revisão por parte dos reguladores.

Phil Spencer admitiu mesmo que o negócio poderia demorar entre 12 a 18 months a ser concluido.

“Continuaremos a lutar pela melhoria ea salientar a representação adequada dos trabalhadores”, notou Jessica Gonzalez, antiga funcionária da Activisio,ne uma das organizadoras do movimento ativista ABetterABK, acrescentando também que “isto não muda nada”.

Videojogos lucraram com a pandemia

As empresas de videojogos Aumentaram os lucros desde o início da pandemia. O recorde anterior para a maior fusão da indústria de jogos foi estabelecido na semana passada, quando a Take-Two Interactive, criadora de jogos como a Grand Theft Auto, anunciou planos para comprar a editora de jogos móveis Zynga, por mais de 11 mil milhões de dolares.

No ano passado Electronic Arts ea Take-Two envolveram-se numa guerra de licitações sobre a Codemasters, uma empresa de jogos de corrida que acabou por ir para a EA por 1.2 mil milhões de dolares.

A Microsoft fez outra compra em 2020 quando adquiriu a ZeniMax Media e os seus estúdios de jogos por 7.5 mil milhoes.

A Ativision comprou mais tarde a King, empresa de jogos europeia por detrás da Candy Crush, para se expandir para jogos móveis. A King conseguiu um lucro de mil milhões de dólares, durante o último período de 12 meses.

Os jogadores esperam agora que a Activision lance a mais recente versão de Call of Duty, com jogos como Diablo e Overwatch adiados. Ainda assim, a Activision continua a ser bastante rentável, reportando um lucro de 639 milhões de dolares no seu ultimo trimester.

Kotick considera que a aquisição da Microsoft vai fornecer à Activision as ferramentas necessarias para acompanhar as grandes empresas tecnologicas como Google, Apple, Amazon e Tencent, no panorama do jogo em rápida evolução.

“Percebemos que ia ser um mundo cada vez mais competitivo, com recursos que simplesmente não tínhamos”, concluiu o dirigente.

Meta benefit com a compra

Segundo a Forbes, o acordo entre a Microsoft ea Activision Blizzard, como um jogo no metaverso, é do interesse da Meta.

A empresa de Mark Zuckerberg esteve de mãos atadas por um impasse recente dos reguladores anti-trust, que dizem que a corporação ganhou um dominio monopolista sobre os meios de comunicação social.

Esta situação torna efetivamente impossível o Facebook comprar qualquer coisa nova, dentro do espaço traditional dos meios de comunicação social.

No mês passado, os reguladores britânicos disseram à Meta que tinha de vender a GIPHY, fechando um negócio de 315 milhões de dolares, porque iria asfixiar ainda mais a concorrência da publicidade digital.

A Meta poderá ser capaz de reorientar os milhares de milhões de dólares, se conseguir provar que também há concorrentes ao mesmo nível da empresa.

Para se sentir segura de que os reguladores não irão anular futuros acordos do mundo virtual, a Meta quer mostrar que e possível existir uma competição por esses acordos, entre outras empresas.

Por outras palavras, a Meta quer acordos como a Microsoft-Activision para justificar os seus próprios acordos. Para justificar o seu proprio aumento de capital.

ACL,ZAP //

See also  Watch the new game trailer for Dying Light 2: Stay Human
Continue Reading

Trending